quarta-feira, 24 de agosto de 2016

FENAPEF - A MAIOR ENTIDADE SINDICAL POLICIAL DAS AMÉRICAS COMPLETA 26 ANOS


Em 1990 ela era apenas um BEBE que havia nascido através de um dolorido e quase mortal parto FÓRCEPS. Os inimigos tentaram matá-la no berço e não conseguiram pela real intervenção dos seus pais guerreiros e protetores.

 Em 1994 ela já era uma criança precoce, beligerante e fortemente se revoltou contra as injustiças, baixos salários e as desgraçadas condições de trabalhos dos policiais federais de verdade;

No ano 2000 uniu todos em volta dela e com apenas dez anos essa menina já comandava os destinos sindicais dos Policiais Federais de verdade.

Em 2004, essa mocinha ficou revoltada novamente contra as injustiças dos mesmos inimigos dos policiais federais de verdade e foi à luta novamente e bravamente.

Em 2010, aos VINTE ANOS precisou arrumar até um ELEFANTE BRANCO ENORME para ajudar na luta contra tudo e todos que sempre prejudicaram os policiais federais que realmente labutam dentro da PF.

Agora em 2016 aos chegar aos VINTE E SEIS ANOS ela se transformou em uma bela mulher e virou a mamãe de milhares de policiais federais.

O NOME dela é FENAPEF - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS que no dia - 25 de Agosto de 2016 faz aniversário.

Aos genitores que ajudaram a colocá-la no mundo a nossa reverência e gratidão eterna.

Aos que assumiram a sua criação os nossos maiores agradecimentos e;

Aos atuais e aos futuros mantenedores da MAMÃE FENAPEF os nossos votos de sucesso e colaboração tem que existir sempre.

AS DIRETORIAS PASSAM E A FENAPEF FICA - ELA É IMORTAL como um HIGHLANDER!

Os INIMIGOS SÃO OS MESMOS DESDE o SEU NASCIMENTO, por isso e sempre por isso, temos que nos manter UNIDOS APESAR DOS PESARES, para que a INSTITUIÇÃO FENAPEF tenha condições de aprimorar a vida dos policiais federais de verdade e seus familiares na forma almejada.

Aos 26 anos a FENAPEF - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS é a maior entidade sindical policial das AMÉRICAS !

PARABÉNS FENAPEF!

FENAPEF 26 ANOS DE LUTA!


TIM - TIM  para a FENAPEF ! 


terça-feira, 26 de julho de 2016

OAB DEFENDE TAMBÉM OS DIREITOS HUMANOS DOS PROFISSIONAIS DA SEGURANÇA PÚBLICA


A COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA da OAB-CE - CSP - esteve reunida nesta sexta-feira, onde ficou deliberado por UNANIMIDADE dos presentes que a CSP irá interagir com todas as categorias da Segurança Pública do Estado do Ceará para levar a OAB efetivamente até eles no sentido de apurar seus problemas e suas agruras no combate ao crime que se tornou organizado e cruel em nosso estado, o que levou a população a eleger a segurança pública como a prioridade número um de qualquer governo.

A CSP entende que a OAB precisa (INCLUSIVE A NACIONAL) defender e proteger institucionalmente os BONS PROFISSIONAIS da segurança pública, que no nosso estado estão acuados e amedrontados em virtude de posições assumidas contras esses profissionais, antes mesmo que sejam apurados os fatos em que são envolvidos diariamente em ações de proteção da população cearense onde agem contra criminosos cada vez mais cruéis, organizados e equipados.

A CSP - COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA, através de seus membros decidiu que fará todos os esforços necessários para levar a OAB-CE para junto dos BONS policiais, para que eles passem a ver a INSTITUIÇÃO OAB como parceira na sua estratosférica missão e não como "inimiga", como acaba vendo hoje com muita freqüência e principalmente pelas ações de proteção aos direitos dos bandidos serem muito mais comuns e divulgados. Queremos MUDAR ISSO.

Entendemos que os suspeitos, bandidos contumazes e os presos em geral,  precisam SIM de uma forte proteção levando em conta sempre os DIREITOS HUMANOS UNIVERSAIS, mas entendemos também que os PROFISSIONAIS DA SEGURANÇA PÚBLICA também precisam ter a mesma atenção que é dedicada aos transgressores da lei que estão matando e assolando o nosso povo, incluindo ai os nossos amigos e familiares.

A CSP - COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA DA OAB-CE pretende se ombrear de verdade com os BONS PROFISSIONAIS da segurança pública do Estado do CE para que possa ajudar esses órgãos a fazerem frente aos bandidos organizados e para que a CAÓTICA e INSUSTENTÁVEL situação da segurança pública no Estado do Ceará seja ao menos amenizada e melhorada URGENTEMENTE. Para que isso aconteça é necessário que os profissionais de segurança pública saibam que existem ENTIDADES FORTES e PARCEIROS FORTES que estão dispostos a somar com eles na luta contra essa verdadeira GUERRA URBANA.

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA DA OAB-CE

Francisco Carlos Garisto
Presidente

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Violência nos Estádios: Até quando o torcedor Brasileiro irá tolerar isso?

O dono do espetáculo de Futebol é o torcedor que paga ingresso, e quer conforto e segurança.
* Coronel Libório
Dois anos após o Campeonato Mundial de Futebol da FIFA no Brasil (FIFA WC BRASIL 2014), ainda assistimos cenas de violência nos jogos dos campeonatos nacionais e regionais, de forma constante e corriqueira. Parecemos anestesiados em uma ideia de que será impossível resolver esses problemas.
Com os altos investimentos públicos e privados para realizarmos um torneio de padrão internacional como a Copa, questionados até hoje, ainda identificamos comportamentos de arenas de gladiadores nos tempos do império romano na antiguidade, porém em um ambiente moderno edificado para atender um público cada vez mais exigente.
Pelo que parece, governantes e empresários do mundo desportivo jogaram no lixo o chamado Legado da Copa, afirmando que o planejamento e as operações desenvolvidas não se aplicam a realidade do futebol brasileiro. Como não? Estão vamos à alguns números:
a) Durante a Copa do Mundo em 2014 3.429.873 pessoas compareceram aos jogos, em uma média de 53.591,8 pessoas por partida (muito superior a média dos torneios nacionais com um detalhe: ingressos muito mais caros). 64% deste público era constituído por brasileiros, amantes do futebol, grande parte frequentadores dos estádios nacionais, que acreditando na organização e na segurança foram com amigos e familiares aos jogos. Os demais 36% eram torcedores latino americanos, norte-americanos, europeus e asiáticos que visitaram o País, identificando a organização e segurança semelhante as melhores eventos do mundo. Portanto, a Copa foi dos Brasileiros amantes do futebol: aqueles que frequentam estádios e torcem por clubes nacionais no cotidiano, e não de estrangeiros;
b) No ambiente de todos os Estádios, Hotéis de Delegações e escritórios da FIFA, aeroportos, centros de treinamento e centros de mídia executamos um planejamento detalhado que priorizava o atendimento do torcedor, dirigentes, atletas, imprensa e gestores das diversas operações e serviços, sempre atendendo e orientando pessoas, e minimizando riscos, compartilhado todas as ações efetivamente com as forças de segurança pública, não avançando na competência legal de nenhum órgão e respeitando rigorosamente o planejado;
c) Foram estabelecidos 1.300 procedimentos operacionais em 32 postos de segurança patrimonial, que iam do controle de acesso, verificação de pertences dos torcedores, orientação de público, transporte de valores, circulação de delegações, prevenção à invasões de campo, dentre outros.
d) Este modelo estabelecido para a Copa do Mundo no Brasil surgiu ao final da década de 80 na Europa, consubstanciado em uma investigação promovida pelo juiz britânico Lorde Taylor de Gosforth, a partir da análise da "Tragédia de Hillsborough", ocorrida em 15 de abril de 1989 no Estádio Hillsborough, em Sheffield (Inglaterra) durante o jogo entre Liverpool FC e Nottingham Forest, válido pelas semifinais da Taça da Inglaterra. A partir do Relatório Taylor, como ficou mundialmente conhecido, as Federações Europeias começaram a implementar seu planejamento, atendendo recomendações que delineavam diversos ajustes também nas leis do País que previam, além dos cuidados com circulação e ocupação dos espaços, punições severas para torcedores em condutas inadequadas ou violentas. A alvo principal era os Hooligans (torcedores violentos espalhados em toda a Europa).
A partir da Inglaterra e os demais países europeus, a UEFA (União das Federações Europeias de Futebol) estabeleceu este conceito como base de planejamento para os torneios nacionais e os organizados para jogos no continente Europeu. A FIFA só assimilou, implementando o modelo a partir da Copa do Mundo de 1994 nos Estados Unidos.
O conceito, em sua essência, prevê nas diversas atividades de planejamento, uma série de ações preparatórias para a prevenção de eventos que possam se configurar em ameaças aos torcedores ou a realização dos jogos. A proteção do negócio chamado FUTEBOL e os patrocínios que o cercam, é prioritário, pois grandes marcas mundiais não querem sua imagem associada a violência e a desorganização. Daí o nível de detalhamento e exigência.
Quando efetivamos esse modelo durante a Copa do Mundo do Brasil de 2014, a contribuição para os resultados comerciais foram muito satisfatórios, com uma repercussão mundial bastante positiva. A sensação de segurança foi enorme, com a aceitação média do público torcedor acima de 90% em todas as Arenas da Copa, segundo a mídia nacional. Os negócios foram consideráveis (injeção de R$ 30 bilhões na economia do turismo do Brasil, além de lucros aos diretamente envolvidos na organização), demonstrando que o Brasil, por sua tradição no esporte, pode e sabe organizar grandes espetáculos futebolísticos.
Falando da realidade atual, a situação dos estádios brasileiros (inclusive os utilizados durante a Copa do Mundo) é favorável a implementação de mudanças conforme a que tivemos no Brasil, nas doze sedes (e não na Europa, como parecem afirmar). Para isso é preciso interpretar os seguintes pontos:
  1. O futebol é um grande negócio. Os jogos da Copa nos mostraram isso;
  2. O futebol embora tendo o apelo público, é de iniciativa privada, dirigida por organizações e agremiações que visam lucro em toda a sua atividade de planejamento e realização, com a participação de empresas e marcas comerciais, além da mídia em geral;
  3. É um evento grandioso, com uma grande participação e apelo popular, gerando paixões. Exige um detalhamento de planejamento para todos os serviços, que vão desde a venda de ingressos e assentos (numerados), venda de direitos de imagem, serviços de alimentos e bebidas, orientação e segurança do público, dentro das expectativas geradas que pagou para assistir os jogos;
  4. É estimulante e motivador do retorno do torcedor amante do futebol aos estádios, devido ao conforto, fornecimento de serviços, segurança e acesso controlado aos estádios, com serviços confiáveis, conforme vimos no Mundial. As Arenas da Copa mostraram que quando essas atividades andam juntas o resultado são os estádios cheios, próximos a sua capacidade total de público. As Arenas modernas propiciam isto, pois estimulam a frequência dentro de uma visão de lazer familiar, onde será possível se alimentar, se divertir e torcer por sua agremiação querida, sem riscos ou ameaças.
  5. Um negócio vantajoso para todos os envolvidos: dos torcedores, passando pelos setores públicos, as empresas envolvidas, as agremiações e os trabalhadores pela massa de empregos geradas (durante os jogos mais de 2.500 funcionários trabalhavam nos estádios, nos diversos serviços estabelecidos). 
No que se refere ao planejamento para grandes eventos voltados ao futebol, podemos indicar os principais pontos, dentre outros, que podem contribuir para a melhoria da segurança:
  • Para a realização dos jogos deve ser estabelecido um planejamento detalhado e antecipado, com estudos e definições para intervenção operacional nos diversos ambientes de serviços oferecidos ao torcedor, analisando fluxos, disponibilidade das atividades (tempo, local e tipo de serviços). Isto ocorrer em reuniões com organizadores e patrocinadores, além dos dirigentes dos clubes envolvidos e as forças policiais;
  • Criação e controle de um banco de dados para venda de ingressos controlados, preferencialmente vinculando o nome/número do espectador ao assento, exigindo a sua permanência no local destinado (conforme estabelecido pelo Estatuto do Torcedor), impedindo fluxos desnecessários no ambiente do estádio. Neste ponto o controle de acesso é muito importante;
  • Controle efetivo, com banco de dados nacionais, das torcidas organizadas e seus membros, com ingressos identificando os integrantes que estarão no recinto dos jogos, em local definido, portões de acesso dedicados, horário de entrada e saída controlados. Tudo isso compartilhado entre as federações organizadoras dos jogos, agremiações, a inteligência das organizações de segurança pública e a segurança corporativa das federações;
  • Acompanhamento de movimentos pelas redes sociais permanentemente (e não apenas nos dias de jogos) de eventos que possam potencializar conflitos entre torcidas (principalmente as organizadas), compartilhando as informações entre as forças de segurança, as equipes corporativas das federações e as agremiações;
  • Estabelecer um planejamento prévio de cada jogo, a partir de uma padrão definido, estabelecendo graus de risco vinculados ao tipo de torcida, condição da agremiação no torneio, situações ambientais (espaços, condições de acesso, transporte e mobilidade nas imediações do estádio, estacionamentos), compartilhando e validando as operações com as forças de segurança pública para que, havendo a quebra da ordem, as organizações públicas possam atuar prontamente para o retorno à normalidade, com apoio da segurança privada empregada nas operações do estádio.
  • Contratação e preparação das equipes de segurança privada. Como o serviço é de natureza privada, que visa lucro, as atividades devem ser patrimoniais (não policiais) de proteção do negócio, direcionadas à orientação e segurança dos espectadores, que pagaram ingressos e tem direito a esse serviço, bem como a proteção de bens e serviços;
  • Atuação das equipes de segurança privada na manutenção do patrimônio e dos serviços do estádio, a partir do controle de acesso (catracas e portões de entrada/saída), nos diversos ambientes (bares, restaurantes, camarotes e áreas nobres), locais de público (assentos com cadeiras numeradas) e espaços destinados as equipes e representantes das delegações (vestiários, salas antidoping e de arbitragem dos jogos);
  • Estabelecimento de uma sala de operações para coordenação de todos os serviços no estádio, inclusive segurança, prevendo espaços adequados para emprego das forças de segurança pública em situações de pronta resposta e intervenção em ações de manutenção da ordem. Da mesma forma um espaço dedicado à Polícia Judiciária (Polícia Civil) para registro imediato de ocorrências para identificação de autoria e início do processo penal. Havendo disponibilidade de espaço para um Juizado de Pequenas Causas, seria importante para celeridade da ação penal;
  • Rigoroso sistema de credenciamento. Credenciais tem seu aspecto vinculado a atividade funcional no ambiente do estádio, controlando e definindo funções. Não deve ser utilizado como convite (outra categoria de acesso vinculada aos organizadores da partida) e não substitui ingressos (destinado ao público espectador). Em um planejamento de segurança, as definições de quem tem direito a credenciais, convites ou ingressos, estabelecem a ação da segurança nos acessos aos diversos ambientes internos;
  • Planejamento coordenado e compartilhado com todos os responsáveis pelos serviços, com padronização visual definida, favorecendo a rápida identificação visual de público, colaboradores e forças públicas. Este é o papel dos chamados Stewards (do inglês, mordomo, que significa orientador de público), com a missão de facilitar ou controlar o acesso, organizar filas e intervir em pequenos conflitos que possam causar desconforto ou o iminente comportamento antissocial, que exijam a intervenção das forças de segurança pública. A atividade é sempre coordenada e pode determinar o emprego individual ou coletivo, sempre priorizando a segurança do espectador. O responsabilidade convencionada é o do agente de segurança privada (o vigilante) no Brasil e em grande parte dos países que utiliza esta metodologia de segurança;
  • Monitoramento dos espaços por câmeras ou sistemas eletrônicos, antecipando a identificação de possíveis problemas como invasão de áreas, danos em ambientes, dentre outros.
  • Estabelecimento de um código de conduta para estádios, definindo itens proibidos e comportamento antissociais ou desvios de conduta não desejados. Isto deve ser público, com acesso nas redes sociais, amplamente divulgado pela mídia e redes sociais e fixado nos portões de acesso. Isto facilitaria a orientação do público;
  • Adequação das normas legais e penais (Estatuto do Torcedor e Código de Defesa do Consumidor, Códigos Penal e Civil), prevendo efetivamente penas que inibam ações de vândalos, como impedimento de frequência em estádios, comparecimento em estabelecimentos policiais durante os jogos, ressarcimento e indenização de danos materiais e pessoais de forma célere (como o confisco de bens para indenização imediata, principalmente para tratamentos médicos em consequência da violência causada, quando da identificação da autoria);
  • Exigência, por parte dos patrocinadores dos eventos futebolísticos, da melhoria dos serviços destinados a segurança dos jogos (destinados ao patrimônio, proteção de bens e serviços), promovendo a proteção das marcas comerciais, evitando vendas ilegais e o comércio de falsos utensílios, ou produtos de consumo indevido ou de natureza duvidosa, além da segurança do público.
Grande parte do assuntos que indicamos acima estão consubstanciados no planejamento operacional das 12 ARENAS utilizadas durante a Copa do Mundo e devem estar disponíveis nas Federações Regionais e na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), bem como o planejamento para Hotéis, centros de treinamento e proteção de delegações, disponíveis como Legado da Copa pelo Comitê Organizador Local da FIFA após o término dos jogos.  Também o conhecimento e os instrumentos de coordenação operacional estabelecidos no seio das organizações públicas de segurança e das empresas dos segmentos de segurança privada que atuaram na Copa do Mundo no Brasil. Todos devem ter o interesse em contribuir para o início da solução dos problemas, relacionados à segurança em nossos estádios, e por consequência do público torcedor.

Enfatizo que se não houver interesse em resolver o problema, com um planejamento coordenado e organizado do negócio FUTEBOL, problemas como a violência serão constantes e cada vez mais comuns, maculando a imagem já desgastada do dito País do Futebol, prejudicando ainda mais empresas e clubes envolvidos em torneios oficiais no Brasil.
* Coronel Libório trabalhou como Consultor em projetos para a Copa do Mundo e atuou durante três anos  como Gerente de Operações de Segurança do Comitê Organizador Local – COL/FIFA da FIFA WC BRASIL 2014 - PM/SP - 

segunda-feira, 30 de maio de 2016

ONZE MINISTROS QUE PODEM, SEM SEGREDO SALVAR O BRASIL EM UM DIA !


O STF poderia entrar para a história do Brasil, para isso era SÓ MANDAR PRENDER TODOS OS POLÍTICOS QUE JÁ RESPONDEM PROCESSO POR LÁ. Não seria necessário nem novas eleições.

MINISTROS CAIAM NA REAL.SEJAM BRASILEIROS DE VERDADE. FAÇAM UM PACTO E MANDEM PRENDER OS MALDITOS CORRUPTOS DE TODOS OS PARTIDOS QUE JÁ ESTÃO PROCESSADOS NO STF. SÓ ISSO.SIMPLES!

Vocês seriam eternizados tal qual TIRADENTES.

DEIXEM DE SER O QUE TODOS PENSAM QUE SÃO !

URGENTE. ACABEM COM ESSES PARASITAS CORRUPTOS DA NAÇÃO. VOCÊS SÃO OS ÚNICOS QUE PODEM FAZER ISSO HOJE !

SOMOS 200 milhões de brasileiros nas mãos de onze ministros.

VAMOS REZAR,ORAR,TOCAR ATABAQUE e DESEJAR SALAAM ALEIKUM pra eles virarem os nossos salvadores.


IMITEM O MORO SEM MEDO DE SER FELIZ E PODERÃO CONTAR COM A PF E COM A MAIORIA DO POVO BRASILEIRO HONESTO QUE QUER JUSTIÇA e UM PAÍS SEM A ANARQUIA E A ROUBALHEIRA ENDÊMICA DE HOJE .

terça-feira, 3 de maio de 2016

Falta imaginação ao juiz que mandou bloquear o WhatsApp



O JUIZ DE Sergipe que mandou interromper o WhatsApp deveria ser mais inteligente e prático .Deveria multar a empresa por desobedecer a lei . DEVERIA cobrar uma multa diária pela desobediência, mas NUNCA tirar do ar o aplicativo que serve de trabalho para muitos. Coloca e aplique a multa e confisque na conta bancaria do WhatsApp 500 mil reais por dia de desobediência e pronto. RESOLVIDO. O aplicativo fica no ar e a justiça não fica desmoralizada e desobedecida, ou alguém acha que empresário gosta de pagar alguma coisa?